Publicado em 24/10/14 por Distel Telhas

Telha de Pet Injetado TradiçãoO processo de moldagem por injeção consiste essencialmente na fusão da resina PET, por meio do amolecimento do PET num cilindro aquecido e sua injeção no interior de um molde, onde endurece e toma a forma final. A peça moldada é, então, extraída do molde por meio dos pinos ejetores, ar comprimido, prato de arranque ou outros equipamentos auxiliares.

Cada material possui suas características reológicas e por isso cada rosca deve ser projetada de forma a fundir o material antes da injeção, promover a homogeneização da temperatura do fundido, a dispersão de pigmentos e/ou aditivos bem como manter a temperatura, pressão e cisalhamento sobre controle para não provocar a degradação do material.


Um ciclo completo consiste das seguintes operações:
  1. Dosagem dos grãos de PET previamente secos no cilindro de injeção.
  2. Fusão do PET até obter a fluidez necessária à injeção.
  3. Injeção do material fundido no molde fechado.
  4. Resfriamento do material até a solidificação.
  5. Extração do produto.

O equipamento de injeção é constituído por dois componentes principais: a unidade de injeção, que funde e “entrega” o polímero fundido e a unidade de fixação, que abre e fecha o moldo em cada ciclo de injeção.

O processo de obtenção de peças injetadas em PET conta com 5 etapas distintas:

  • secagem
  • alimentação
  • plastificação
  • injeção
  • ejeção do produto

Algumas variáveis de controle durante o processo de injeção:

  • a) Pressões (injeção, recalque e contra pressão)
  • b) Temperaturas (cilindro, massa e molde)
  • c) Velocidade de injeção
  • d) Rotação da rosca
  • e) Tempos (injeção, resfriamento, recalque)

Compartilhe

Faça uma pergunta
0 Perguntas
Pergunta:

*